Arquivo da tag: dicas

Dieta literária

Considero o livro,  para quem gosta de ler, um índice da personalidade.

Sempre me interessei por assuntos que giram sobre o direito do indivíduo em seguir suas orientações, suas vontades, independentemente do preconceito alheio. Dessa forma, os livros que acabo adotando para minha estante estão permeados pela temática da liberação feminista, direito da diversidade, etc. desse modo minha estante é um misto de Simone de Beauvoir, Machado de Assis, Oscar Wilde, a recém-chegada biografia da Cássia Eller, etc, sem contar claro, a Clarice Lispector, meu amor.

 

Por isso, achei interessante as dicas desse site referente à divisão de leitura. Uma ótima dica de aproveitamento de tempo em uma época de best-sellers, e também um guia para ajustarmos os interesses nos temas que gostamos mais.

Todo mundo conhece aquele desenho da pirâmide alimentar, que começa com fartura de cereais e massas na base, depois empilha frutas, hortaliças, leite, leguminosas até chegar na pontinha, com consumo limitado de carnes, gorduras, açúcares e doces.

A pirâmide de Maslow é outra dessas figuras geométricas muito famosas, que coloca as necessidades fisiológicas e de segurança na base para só depois pensar em relacionamentos, aceitação social; a auto-realização fica lá no topo, quando tudo já foi resolvido. Pesquisando mais um pouco a gente descobre pirâmides políticas, organizacionais, socioeconômicas e até, veja só, egípcias.

Como se vê, pirâmides são muito didáticas para deixar bem claro o que é fundamental e o que é cereja; também são ótimas para mostrar por onde se começa a construir bases bem estruturadas para qualquer coisa.

Pois então. Estava aqui ruminando umas alcachofras e resolvi elaborar uma espécie de pirâmide da leitura. Vamos lá então.

Dietrich Schwanitz, em seu “Cultura geral, tudo o que se deve saber” diz que somente a língua nos distingue dos animais e, mais do que a fala, a escrita é a chave para o domínio de uma língua. Falando, a gente pode descrever coisas e pessoas, mas as ideias precisam ser simples porque acompanhar o desenrolar da argumentação exige muita concentração. Por meio da escrita, é possível libertar a linguagem da situação concreta (fatos) e torná-la independente do contexto (ideias). Quando a gente fala, a emoção predomina sobre a objetividade; quando escreve ou lê, desenvolve muito mais a capacidade de abstração.

Beleza. Quer dizer que ler serve basicamente para desenvolver a capacidade de abstração, o que não é pouco se a gente analisar onde isso nos leva: compreender a dimensão e o contexto da encrenca que é esse mundão, o que implica em entender pelo menos o básico sobre como as coisas funcionam e como a gente chegou até aqui; esse passo é fundamental se quisermos mudar a realidade (ou mesmo deixá-la exatamente como está, o que exige esforço igual ou maior).

 

Por isso, penso que a base da pirâmide deveria ser composta por livros de filosofia, onde a gente conheceria o que já se pensou a respeito e em que pé está o debate (isso tem o pomposo nome de estado-da-arte). Poderíamos comparar ideias, analisar posições e situar nosso papel no mundo, assim como a nossa missão. Poderíamos escolher intencionalmente um comportamento diante da vida com um mínimo de coerência. Filosofia tem a ver com perceber nossa localização no tempo, no espaço e nas ideias. Sem isso, a gente fica vagando por aí sem saber aonde vai e porquê. A religião também pode se prestar a isso, mas para evitar entrar numa fila qualquer não tem jeito: há que se ler e se questionar muito.

Na base deveriam estar também livros de história, que complementam bem a filosofia. Por que certas nações vivem em guerra? Por que alguns povos são mais ricos que outros? Por que a terra é separada em países? Por que falamos português e não mandarim? Coisas básicas e fundamentais para não repetir erros (e votar em certos políticos).

Geografia também seria útil e básico para a gente se orientar. Fico assustada quando conversamos, em postos de gasolina, com motoristas de caminhão que não conseguem entender mapas nem fazem a menor idéia de distâncias ou de pontos cardeais. Eles aprendem o caminho com alguém e o repetem igual a ratinhos de laboratório. Triste, se a gente pensar que o mundo para eles poderia ser tão maior e mais interessante…

Por último, nessa base, penso que seria importante ter noções de ciências (matemática, física, biologia) e de onde partem as linhas de raciocínio para que as coisas façam sentido. Como manter um corpo minimamente saudável se a gente nem sabe direito como ele funciona? Como se virar num mundo sem saber fazer contas? Conheço pessoas com o segundo grau completo que ainda não captaram o conceito de porcentagem. Muito preocupante.

Acredito que alguém com esse conhecimento de base já deveria ter as ferramentas básicas para evoluir no mundo e partir para os próximos estágios (seria o equivalente a forrar o estômago com cereais, para dar “sustança”).

No meio da pirâmide, eu colocaria a literatura e as artes em geral em proporções bem generosas, pois que, afinal, são elas que nos fazem humanos. É onde estão os sonhos, as ideias, os cenários reais ou fantásticos. Por meio da literatura podemos viajar, conhecer lugares e viver coisas que nos seriam impraticáveis; conseguimos a proeza de participar e observar ao mesmo tempo; somos capazes de amadurecer e aprender com experiências alheias, verdadeiras ou absurdas. A literatura e as artes tornam possível o impossível, fazendo o mundo ficar absolutamente infinito.

Um pouco mais para cima, no próximo nível, em menor quantidade, penso que poderíamos nos concentrar em livros técnicos, que ajudariam a trabalhar melhor, aprendendo com outros. Certamente, qualquer profissional bem alimentado pelos estágios anteriores teria muito mais repertório para assimilar e aplicar esse conhecimento.

Na última etapa, lá na pontinha, depois de tudo bem mastigado e digerido, ficariam as notícias e atualidades, necessárias para que a gente não se isole do mundo, mas que precisam ser consumidas com comedimento. Notícia em excesso e sem contexto embrutece e anestesia.

É claro que isso é apenas o que eu consideraria como ideal, mas, evidentemente não pratico. Às vezes leio muito mais livros técnicos do que seria saudável e meus conhecimentos de história e filosofia são parcos e insuficientes. Tem dias até que só leio notícias e bobagens. Mais ou menos como uma dieta desequilibrada, onde a salada fica de lado e a gente se entope de batatas fritas e doces. Obesidade literária, alguém já ouviu falar?

Bom, agora, quem sabe, com a ajuda de uma providencial pirâmide, talvez seja possível priorizar e organizar minha dieta literária.

Se você não concorda com a minha, pode fazer ajustes ou construir a sua própria (como seria um nutricionista literário?); pode ajudar a manter a boa forma dos neurônios…

Fonte: Lígia Fascioni | www.ligiafascioni.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Na Biblioteca

Notícia boa vinda de Brasília! Pontos de ônibus em Brasília viram estação cultural e têm internet grátis

Quem não quiser usar o computador, pode acessar a internet no celular, com a rede sem fio. Tudo de graça. Ainda tem uma pequena biblioteca com livros que podem ser lidos ali mesmo ou podem ser levados para casa.

Geiza Duarte Brasília

Surgiu em Brasília uma solução para tornar mais agradável aquele tempo que o brasileiro perde esperando a condução nos pontos de ônibus. A ideia de espalhar livros começou há algum tempo, mas agora tem tecnologia também. A parada de ônibus virou uma estação cultural. Tem até internet para os passageiros.

O olhar atento é de quem ainda não está muito familiarizado com a novidade, mas já que o computador está à disposição vale à pena fazer uma adaptação para usar o teclado virtual. É um convite ao aprendizado. “Eu sou analfabeto nesse negócio de informática. Tem muito pouco tempo que eu só sei o elementar, que foi o que eu fiz aqui. E o elementar funcionou”, comenta o livreiro Ivan Presença da Silva.

É uma estação cultural no meio da parada de ônibus. E quem não quiser usar o computador, pode acessar a internet no celular, com a rede sem fio. Tudo de graça. “Aqui eu atualizo as últimas notícias e continuo conectado mais uns minutos até chegar em casa”, conta o técnico de informática Thomás Sauro. “Vai fazer com que os usuários de ônibus tenham uma espera mais tranquila, mais divertida e mais cultural”, aposta o advogado Fabrízio Morelo.

Ainda tem uma pequena biblioteca com livros que podem ser lidos ali mesmo ou, se o leitor preferir, pode levar pra casa e devolver quando quiser. “Dificilmente, você tem tempo de ler no ônibus e você pode estar folheando um livro que você pega aqui”, diz a estudante Eduarda Silvino.

Por enquanto, só três paradas de ônibus ganharam as mini estações culturais. É uma fase de testes, mas a proposta é inaugurar outras 37 estações em vários pontos da cidade até a Copa do Mundo de 2014. O projeto teve apoio de empresas públicas e de uma fundação.

O idealizador do projeto é Luiz Amorim, filósofo autodidata e dono de açougue. Tudo começou quando, aos 16 anos, ele aprendeu a ler e se apaixonou pela literatura. Montou uma banca no açougue e passou a emprestar os livros que tinha. Há cinco anos, ele espalhou estantes cheias de livros pela cidade e agora o sonho de compartilhar conhecimento cresceu.

Londres já colocou em funcionamento um projeto semelhante, de livre acesso à internet, em toda a rede de metrô.

Por falar em internet, em meio a toda essa repercussão do caso da atriz Carolina Dieckmann, a Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (15) um projeto que torna crime invadir computadores.

A pena prevista é de três meses a um ano de prisão, além de multa. A punição será dobrada no caso de roubo de e-mails privados ou comerciais e pode aumentar ainda mais se o conteúdo for distribuído. O texto segue agora para o Senado.

 

Vi aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Coisas sobre informação, Ensino, Literatura

Últimos dias da Exposição em homenagem à Elis Regina no Centro Cultural São Paulo

Mostra  que vai até 20 de maio exibe  cerca de 200 fotos antigas, vídeos de shows e entrevistas.

 

Desde  o último dia 14, aqui em São Paulo uma exposição em homenagem à cantora Elis Regina. A mostra, que acontece no Centro Cultural São Paulo, no Paraíso, na Zona Sul da capital, é organizada por João Marcello Boscoli, um dos filhos de Elis, e marca os 30 anos da morte da cantora.

São cerca de 200 fotos antigas, vídeos de shows especiais e de entrevistas com a cantora. A entrada é gratuita. Em uma sala especial, o público poderá escutar a cantora treinando e afinando a voz sem acompanhamento especial.

A carreira da cantora começou cedo, aos 12 anos, numa rádio gaúcha. O primeiro palco foi um barril, quando a família ainda morava em Porto Alegre. Em 1964, Elis se mudou para o Rio de Janeiro. Lá, se apresentou no Beco das Garrafas, em Copacabana. Logo depois, ela veio para São Paulo e começou a participar de festivais de música na televisão.

“Elis foi fotografada foi filmada, tudo de uma forma tamanha. Ela surgiu junto com a televisão. Primeira cantora a ter seu programa de TV e tudo mais. O acervo que se tem da Elis é imenso”, explica o curador da exposição Allen Guimarães.

A mostra traz também detalhes da vida de Elis, como as fotos do casamento com o músico Ronaldo Bôscoli, com quem ela teve João Marcello Bôscoli. A relação durou cinco anos. Algum tempo depois a cantora passou a viver com o produtor César Mariano, e mais dois filhos: Pedro Camargo Mariano e Maria Rita.

A exposição vai até 20 de maio e abre de terça a sexta-feira, das 10h às 20h. O Centro Cultural São Paulo fica na Rua Vergueiro, 1.000, no Paraíso.

 

Via : G1

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!

Câmara Brasileira do Livro promove concurso de teses científicas

Agência FAPESP – A Câmara Brasileira do Livro (CBL) recebe até o dia 10 de abril inscrições para um concurso de teses científicas. Os vencedores terão oportunidade de expor sua produção na terceira edição do Congresso Internacional CBL do Livro Digital, que será realizado em São Paulo nos dias 10 e 11 de maio.

Os trabalhos deverão abordar um dos seguintes temas: “Novos modelos de negócios relacionados aos livros digitais”; “Aspectos de usabilidade de leitores digitais (e-readers)”; “Bibliotecas Digitais”; “Aspectos educacionais dos livros digitais”; “Direitos autorais e Copyright”; “Marketing do livro digital”; “Redes sociais e livros digitais”; “O novo papel do editor”.

Os dois primeiros colocados receberão prêmio em dinheiro, terão os trabalhos publicados na Revista de Gestão da USP e espaço para apresentar suas teses para os congressistas.

Realizado pela CBL desde 2010, o evento tem como objetivo discutir tendências do mercado editorial de conteúdo digital. Nesta terceira edição, o tema central será “A nova cadeia produtiva de conteúdo – do autor ao leitor”.

Os modelos de negócios, os aspectos tecnológicos, os direitos autorais e o comportamento do leitor são algumas das questões que serão abordadas por palestrantes brasileiros e estrangeiros.

Nesse contexto, o concurso de teses científicas tem como objetivo estimular a contribuição da academia na definição dos rumos desse novo segmento do mercado editorial no Brasil.

O regulamento completo do concurso e as regras para a inscrição dos trabalhos estão disponíveis no endereço www.congressodolivrodigital.com.br/site/trabalhos-cientificos.

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação, Ensino, Literatura

Acervo digitalizado sobre Nelson Rodrigues

retrato Nelson Rodrigues Nelson Rodrigues digitalizado notas

Está disponibilizado acervo digitalizado sobre Nelson Rodrigues no Centro de Documentação – CEDOC da Funarte. Lá há imagens, resenhas de teatro, comentários e muitas informações sobre a história do dramaturgo. Vale a pena uma visita: Brasil Memória das Artes.

Via Livros e Afins.

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação, Literatura, Na Biblioteca

Bibliocanto (suporte) Star Wars

 



aparadores de livros 640x640 Apoio para livros Guerra nas Estrelas cinema arte arquitetura

Tem como prosseguir a vida humana sem?Vi Aqui: Livros e afins

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Coisas sobre informação

Como se tornar um grande escritor? (por Laurentino Gomes)

 Texto escrito por Laurentino Gomes, ganhador do prêmio Jabuti para autores de não-ficção, em seu blog.

Muitos leitores me escrevem pedindo conselhos. Sonham ser escritores. Alguns são bastante jovens, estudantes com idades entre 12 e 14 anos. Que conselhos poderia eu dar a pessoas de idade tão tenra, na qual a vida é ainda um oceano de possibilidades repleto de escolhas tão difíceis?

O primeiro conselho: leia muito.

Bons escritores são antes de tudo bons leitores. Só a leitura nos ajuda a dominar as ferramentas que a língua portuguesa oferece para que possamos escrever bem. Leia de tudo que puder, mas especialmente literatura brasileira: Machado de Assis, João Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, Érico Veríssimo, Jorge Amado, Dalton Trevisan – há uma infinidade de grandes escritores que dominaram a língua portuguesa como ninguém e podem ser nossos professores, mesmo que alguns já tenham morrido.

Se puder, leia também os autores portugueses. José Saramago pode ser difícil para um leitor iniciante? Então, comece, por exemplo, por Miguel Sousa Tavares, autor do magistral “Equador”. Experimente os autores das ex-colônias portuguesas na África, em especial o moçambicano Mia Couto e o angolano José Eduardo Agualusa, meus amigos pessoais. A leitura dos autores de Portugal e África pode ser uma aventura fascinante, que nos ajuda a decifrar as sutilezas existentes nos dois lados do Atlântico no uso desse tesouro que é a nossa língua portuguesa.

A leitura também vai ensinar o gosto pela pesquisa. Estudar e pesquisar é um prazer inigualável. A pesquisa é a etapa mais lenta, mas também e mais divertida e fascinante no trabalho de construção de um livro. Gosto mais de ler do que de escrever. É uma experiência indescritível desvendar detalhes de um personagem ou acontecimento que eu desconhecia até iniciar a pesquisa sobre o tema. Às vezes sinto-me como um garimpeiro que, pacientemente, remexe o cascalho em busca de uma pepita de ouro. É assim que funciona a pesquisa. Às vezes, o detalhe mais interessante está escondido no meio de um parágrafo obscuro na segunda metade de um livro antigo.

Outra sugestão importante: procure ser organizado e disciplinado no trabalho como escritor. O processo de pesquisa e fechamento da edição dos meus livros é semelhante ao de uma redação de jornal ou revista, só com prazos mais alongados. O segredo da boa reportagem, e também do bom livro, está no planejamento. Jornalista ou escritor que não se planeja corre dois riscos opostos: ou trabalha demais ou trabalha de menos. Se você vai para a rua sem saber se a sua matéria será reportagem de capa, de apenas uma página ou uma coluna de uma revista, acaba apurando ou mais informação do que deve ou voltando para a redação com menos material do que o necessário. Aprendi isso a duras penas nesses trinta anos de carreira.

Ao começar a escrever um novo livro, eu planejo com detalhes todos os passos da pesquisa: quantas e quais obras e fontes terei de consultar, quem poderá me dar orientação sobre o tema, que lugares visitarei, quanto tempo cada uma dessas etapas do trabalho vai exigir. Para fazer o próximo livro, o 1889, sobre a Proclamação da República, já tenho pela frente uma bibliografia de mais de 150 livros sobre o Segundo Reinado e a Proclamação da República. Li até agora pouco mais de trinta. Estabeleci um prazo de um ano e meio para ler o restante. Em seguida, mais seis meses para escrever e outros três meses para editar o livro. E em geral cumpro esses prazos à risca. Acho uma pena que escritores se comprometam em prazos com as editoras e não consigam cumpri-los.

São conselhos simples, até óbvios, mas acho que podem ajudar muito esses jovens candidatos a escritores ao longo dessa bela caminhar que se propõem a realizar.

Extraído daqui, mas recebi por aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino, Literatura

Vocabulário, leitura e pensamento

Que sou fascinada pela palavra e suas sutilezas não é nenhuma novidade. Mas sempre me espanta que as pessoas ainda duvidem do poder do verbo.

Ao ler este post aqui, lembrei imediatamente do livro “1984” de George Orwell, em que, numa realidade completamente comandada pelo Estado, as pessoas vivem sob um controle tão absoluto que até o dicionário vai sendo reduzido, tirando de seu conteúdo palavras que conduzam o indivíduo ao raciocínio, ao questionamento, à dubiedade, ou seja, ao pensamento.

Comparando à nossa realidade, será que, os estudantes do ensino médio, por exemplo, têm um vocabulário adequado ao nível de cultura que se espera deles? E quantos destes que você conhece, se interessam em saber o significado de alguma palavra desconhecida?

Que bom que “1984” é apenas uma ficção , não é?

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino, Literatura

Livros de Mão em Mão em São Paulo

Terminais de ônibus Mercado e Lapa são primeiros pontos de distribuição da iniciativa da Prefeitura e da Unesp que começa com 20 mil exemplares de coletânea de Machado de Assis

Programa empresta livros  gratuitamente em São Paulo

22/12/2011

Agência FAPESP – O programa “De mão em mão”, parceria entre a Fundação Editora Unesp e a Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura, foi lançado no dia 21 de dezembro, em cerimônia na Biblioteca Mário de Andrade, na capital paulista.

O projeto promoverá o empréstimo gratuito de livros. O primeiro título da coleção será a coletânea A Missa do Galo e Outros contos, de Machado de Assis (1839-1908). Com apoio da SPTrans, a ação terá os terminais de ônibus Mercado (no Centro) e Lapa (na Zona Oeste) como primeiros pontos de distribuição.

De acordo com a Secretaria, a edição da coletânea foi realizada especialmente para o lançamento desse projeto-piloto. São 20 mil exemplares, que poderão ser lidos gratuitamente. A partir de um cadastro, o interessado poderá levar as publicações com o compromisso de passá-las “de mão em mão”.

Após a leitura, as obras podem também ser entregues nos pontos de devolução, a qualquer tempo, possibilitando o compartilhamento com outros leitores. Cada pessoa poderá retirar um único exemplar.

Os quiosques do projeto funcionarão todos os dias da semana, das 10h às 20h, com distribuição até quando houver livros. Nos dias 24, 25 e 31 de dezembro e 1º de janeiro, os pontos estarão fechados.

A iniciativa, de caráter inicialmente experimental, busca promover a distribuição de livros em locais com ampla circulação de pessoas para incentivar o gosto pela leitura. Até o fim do primeiro semestre de 2012, término da fase de experiência, serão lançados mais cinco livros. O próximo título está previsto para março.

Os novos livros oferecidos serão selecionados pelo conselho editorial composto por José de Souza Martins (sociólogo e conselheiro da FAPESP), Luciana Veit (editora e escritora), Sérgio Vaz (poeta e fundador do sarau da Cooperifa), Heloísa Jahn (editora e tradutora), Jezio Hernani Bomfim Gutierre (professor de Filosofia da Unesp e Editor Executivo na Fundação Editora Unesp) e Samuel Titan Jr. (professor de teoria literária na Universidade de São Paulo).

As obras terão gêneros distintos como uma forma de atrair leitores de diferentes perfis e faixas etárias.

O “De mão em mão” foi inspirado na iniciativa colombiana “Libros al viento”, em que obras literárias foram distribuídas à população. O projeto recebeu o aval da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e contribuiu para que Bogotá fosse declarada a Capital Mundial do Livro em 2007.

O Terminal Mercado fica na Avenida do Estado, 3350, no Centro. O Terminal Lapa está localizado na Praça Miguel Dell’Erba, na Zona Oeste.

Mais informações: www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura.

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação, Literatura

Marcador de páginas

[Achei ótimo!]

 


Deixe um comentário

Arquivado em Literatura, Na Biblioteca