Arquivo do mês: fevereiro 2012

Acordo Fotográfico

 

Uma moça portuguesa sai pelas ruas abordando pessoas que estão lendo e lhes propõe um Acordo Fotográfico. O resultado é um blog encantador no qual ela compartilha imagens belíssimas e deliciosos textos em que fala brevemente do retratado, de seu relacionamento com a literatura e também do feliz encontro. Para acompanhar sempre.

Via Bibliophile

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Coisas sobre informação, Literatura

Escultura Livro da Vida



Escultura criada por David Kracov em homenagem a Yossi Raichik, diretor do Chabad’s Children of Chernobyl.(via).

Vi no Livros e afins e como sempre, achei lindo…

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Literatura

Estantes novas

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!

Escritores, cada um com sua mania

Escrever um livro é muito difícil. Escrever um livro bom é mais difícil ainda. Escrever uma obra- de- arte atemporal é mais difícil que ganhar na loteria, probabilidades mínimas. Escritores que se tornaram clássicos têm que ter algo diferente, especial, e geralmente têm mesmo. Muitos deles foram/ são excêntricos, cheios de manias, veja:

Thomas Mann era super obsessivo com seus personagens, tanto, que criava até uma assinatura para eles.

Gabriel García Márquez precisa estar num quarto com uma temperatura determinada e tem que ter uma flor amarela na mesa, senão não senta para escrever. Sempre trabalha descalço e se não se sentir inspirado não escreve nada.

John Steinbeck escrevia com lápis redondos para não ferir os dedos.

Mario Vargas Llosa escreve todos os dias às 7 da manhã, pontualmente. É obsessivo com a ordem dos seus livros, que são organizados por temas, tamanhos, países e estão rodeados de hipopótamos.

Haruki Murakami acorda às 4 da madrugada e escreve por seis horas. Pela tarde corre 10 km ou nada 1500 metros, lê, escuta música e dorme às 9 da noite. Disse que segue essa rotina sem variações, como se fosse uma hipnose que o faz alcançar um profundo estado mental.

Henry Miller tinha mania de comodidade, que para ele era essencial. Se estivesse incômodo não conseguia escrever nada substancial.

Antonio Tabucchi só escreve em cadernos escolares.

José Saramago só escrevia duas folhas de sulfite por dia, nem uma linha a mais.

Norman Mailer seguia um esquema muito rígido de trabalho, só escrevia segunda, terça, quinta e sexta.

Pablo Neruda escrevia com tinta verde.

John Updike se passava por uma crise de criatividade, pensava no futuro, no seu livro numa biblioteca pública. Imaginava a cena com muitos detalhes e ganhava forças pra continuar a escrever.

Jorge Luiz Borges entrava na banheira de manhã e pensava no que havia sonhado, se valia a pena escrever um poema ou relato.

Jorge Edwards aproveita qualquer papel, em qualquer lugar e anota todas as suas ideias.

Isabel Allende é muito supersticiosa, sempre faz simpatias antes de começar a escrever e só começa seus romances no dia 8 de janeiro. Acende uma vela e só escreve enquanto ela estiver acesa, se a vela apagar ela pára na hora e deixa tudo como estiver.

Ernest Hemingway escrevia com um pé de coelho no bolso.

Michael Chrichton era super obsessivo com seu trabalho, casou cinco vezes e uma das suas esposas reclamou que ele era super ausente, só pensava nos seus livros.

Isaac Asimov vivia para escrever, trabalhava todos os dias da semana, oito horas por dia, não existia feriado nem fim de semana pra ele. Escrevia 35 páginas por dia e só revisava seus trabalhos uma única vez.

Fonte: http://www.papelenblanco.com/

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação, Literatura, Na Biblioteca

A história do e-mail

Confira!

 

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação

Quando o existencialismo descobriu a saudade

por Regina Miraaz

“Sartre era Oxalá, e eu, Oxum”. É assim, direta e curta, a revelação que Simone de Beauvoir faz, no terceiro volume de suas memórias, A força das coisas, sobre o momento em que foi acolhida pelo candomblé. Ateus convictos, ele judeu e ela católica por filiação, Simone e Sartre viram-se, em agosto de 1960, no terreiro de Mãe Senhora, em Salvador, numa consulta espiritual. O encontro dos filósofos com a mãe de santo foi promovido pelo então Obá de Xangô do Ilê Apó Afonjá. Ou, para os leigos na religião, o escritor – cujo centenário se comemora neste ano – Jorge Amado. A cena do comunista brasileiro recepcionando os existencialistas franceses – na época não exatamente em paz com o comunismo – em um terreiro na Bahia é emblemática de uma relação que foi capaz de transpor todas as diferenças culturais e ideológicas para se transformar em uma profunda amizade. Uma amizade daquelas que nos revelam novidades, que nos protegem e nos lançam em aventuras ao mesmo tempo. Amizade temperada com risos e conversas sérias, boas bebedeiras, reflexões filosóficas e políticas, discordâncias e diversão. Simone e Sartre conheciam Amado de sua temporada de exílio em Paris, entre 1948 e 1950. Foram por ele convidados a conhecer o Brasil em 1960 e, após uma viagem fracionada em várias conexões aéreas complicadas, chegaram a Recife num avião cujo trem de pouso insistia em não funcionar. O pouso foi quase um milagre e o alívio do desembarque foi aumentado quando eles avistaram, no meio da multidão que os esperava no aeroporto, o rosto conhecido de Jorge Amado. “Compreendemos com satisfação que Amado, que viera especialmente para nos receber, iria servir-nos de guia pelo menos durante um mês”, relata Simone em suas memórias. Começava ali, no aeroporto de Recife, uma relação afetiva e peculiar. Sartre e Simone de Beauvoir vieram ao Brasil com propósitos políticos: falar sobre as realizações da Revolução em Cuba, que eles haviam acabado de testemunhar. Também queriam falar sobre os crimes que a França cometia para reprimir as forças que lutavam pela independência da Argélia. Com Jorge Amado como cicerone, podiam esquecer um pouco a política. Ele, segundo Simone, tinha gosto pelas “coisinhas boas da vida”: as comidas, as paisagens, as conversas e o riso. Orgulhoso de seu país e seu povo e de seu título honorífico no candomblé, disposto a acolher os amigos, Jorge Amado programou com Zélia Gattai uma agenda de viagem em que a cultura brasileira ficava em primeiro plano e a política, sempre que possível, em segundo. Levar os filósofos ateus ao terreiro de Mãe Senhora era prova disso. Foi um dos momentos mais impressionantes da viagem, para Simone: depois de testemunhar os rituais da religião e consultar-se com Mãe Senhora, ela fez uma bela reflexão sobre o poder dos rituais nas vidas das pessoas. Para ela, o candomblé, com seus êxtases e transes, era uma religião que permitia aos indivíduos a libertação da dominação da vida cotidiana e um encontro com a própria verdade. Candomblé ao mar de Itapuã. As praias de Copacabana e Ipanema. Belo Horizonte. São Paulo – que “não era bonita, mas transbordava de vida”, como Simone definiu. A confusão dos mercados populares que exalavam o perfume da mistura de mercadorias e figuras humanas e cintilavam com as cores de adornos típicos e figuras de exus – esses “espíritos mais maliciosos do que malignos”. Disso tudo era feita a visita que tornou Jorge e Zélia, Sartre e Simone inseparáveis. Juntos, foram à igreja de São Francisco, a fazendas nordestinas, a plantações de café e de cacau, a Brasília, ao encontro com Oscar Niemeyer e do presidente Juscelino Kubitschek, ao Rio, ao Pelourinho e só não chegaram juntos numa tribo indígena do Mato Grosso porque Jorge Amado não era fã de aviões. Preferiu ficar em Brasília enquanto os amigos e a esposa embarcavam num suspeito teco-teco. Amado logo conquistou a simpatia de Simone de Beauvoir por querer apresentar a ela e Sartre todos os sabores do Brasil: suco de caju, cacau, maracujá, feijoada, feijão mulatinho, mandioca, batata-doce, carne seca, rapadura, caipirinha e batidas variadas… Tanto Simone quanto Amado acreditavam que um país se conhece por seus sabores. Sartre, adoentado e sensível a sabores fortes, ressentia-se dessa convicção do amigo e evitava, sempre que possível, a diversidade de sabores do Brasil. Mesmo deixando a política em segundo plano, Jorge fez questão de colocar os amigos a par da campanha eleitoral para presidente que se desenrolava no País. Explicou que o MarechalLott receberia o voto dos comunistas e da esquerda, mas o fato de ouvirem insistentemente, por onde andavam, o “Varre Vassourinha” de Jânio Quadros era emblemático. Sim, eles podiam ter certeza, Jânio ganharia as eleições. Zélia era a motorista oficial dos passeios, impressionava Simone com sua agilidade ao volante pelas ruas tortuosas e montanhas e morros de Salvador e do Rio. E também por trazer sempre um amuleto contra acidentes, no qual Simone, se não confiava cegamente, encontrava algum conforto. Em Araraquara, impressionada com o sucesso de Sartre entre os estudantes, Simone comentou com Amado, durante um passeio numa tarde de domingo: “– Dir-se-ia que são todos revolucionários!” “– Quando eles se tornarem médicos e advogados isso passará. (…) Não irão reivindicar mais nada além de um capitalismo nacional, independente dos EUA…”, foi a resposta sincera que ouviu do amigo. Simone retribuía a atenção dos amigos com um interesse redobrado: lera Roger Bastide e Gilberto Freyre para compreender a cultura brasileira, e dedicava-se também à leitura dos livros de Jorge Amado: Gabriela Cravo e Canela, Cacau e Terras do Sem-Fim. Os casais se separaram depois de visitarem Brasília. Dali, Sartre e Simone partiriam para Belém e Amazônia – recomendações de viagem de Claude Lévi-Strauss – e, então, para uma segunda visita a Havana. Os Amado rumariam para o Rio. Simone comovia-se ao deixá-los. “Depois de seis semanas de tão bom relacionamento, era difícil imaginar que só os reveríamos muitos anos depois, ou talvez nunca mais”, relatou ela. Depois de tantos dias com os amigos, vendo e experimentando tudo o que o Brasil tem, a separação mostrava a ela um aspecto da cultura brasileira que ainda desconhecia: a saudade. Em Belém e Manaus, Sartre e Simone não podiam retornar imediatamente à França e a viagem para Havana esbarrava em problemas burocráticos. Ressentiam-se da solidão, do clima, da falta de companhia para os passeios e as conversas. Tentaram contato com os amigos por telegramas, que nunca chegaram. Algumas semanas depois, na viagem rumo a Havana, desembarcaram novamente no Rio exaustos, tristes, preocupados. Ali reencontraram o escritor, político, amante das “coisinhas boas da vida” e Obá de Xangô Jorge Amado. Ou, para Simone de Beauvoir, apenas o amigo embaixador da saudade.

 Referência das citações: Simone de Beauvoir, A Força das Coisas. Tradução de Maria Helena Franco Martins. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2010.

Li aqui e achei maravilhoso

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Coisas sobre informação, Literatura

Livros para fritar sua mente

Em tempos de polêmicas importantes como: houve sexo no BBB…?

A lista , como no original, está em inglês, mas google translate está aqui para isso:

Obs 1 – A indicação foi do , sempre ótimo, Livros e Afins

Obs 2 – Os livros destacados em vermelho, eu já li e recomendo ainda mais…

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Literatura, Na Biblioteca, Tempos obscuros

Estantes de Neil Gaiman

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Literatura, Na Biblioteca

A Igreja do Livro Transformador

E pela primeira vez eu pensei em frequentar uma…

Vi aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação, Ensino, Literatura

Leis de “censura” à internet: tem certeza que você entendeu?

É interessante como pessoas iguais podem se comportar de maneiras diametralmente opostas em relação a um mesmo fato, dependendo apenas da interferência ou não desse fato nas suas vidinhas pacatas.

Recebi há alguns dias um e-mail falando de um abaixo-assinado contra a aprovação do Ato de Proteção à Propriedade Intelectual (PIPA) e do Ato de Combate à Pirataria Online (SOPA). Até alguns dias atrás tinha ouvido comentários a esse respeito. Somente busquei maiores detalhes sobre os projetos que estão em votação no Congresso dos Estados Unidos após o “apagão” de alguns sites, em protesto. Naquele dia todos comentavam o assunto. Saiu artigo de capa até mesmo aqui no PdH.

Ao acessar o tal abaixo-assinado, fui direcionado a uma página que mostra os últimos usuários que a assinaram. Observando esta relação por alguns segundos me impressionei com a quantidade de usuários brasileiros que eram exibidos. Parecia muito maior do que de americanos – que, em tese, seriam mais afetados do que nós por aquelas leis. Em uma conta rápida, cerca de 20% das assinaturas eram de brasileiros.

Quando Eduardo Azeredo apresentou seu infame projeto de lei, que diz respeito diretamente a todos nós, internautas brasileiros, a repercussão foi menor. Muito menor. Você sabe o que havia na versão inicial do projeto do deputado? Sabe que, com alterações, ele já foi aprovado pelo Senado Federal? Sabe que, se as sugestões do Ministério da Justiça e das diversas Polícias forem incorporadas ao projeto pela Câmara dos Deputados, toda a internet brasileira será grampeada? Sim, companheiro, tudo que você fizer na internet ficará registrado, e a polícia terá acesso aos dados sem necessidade de autorização judicial. Bastará uma suspeita de que você tenha praticado cibercrimes.

O que motivou tantos brasileiros, muitos dos quais sequer sabem da existência do “nosso” projeto de lei, a se manifestarem contra os dois projetos americanos? Passei a observar os comentários. A revolta se devia, em todos os casos que observei pessoalmente e em vários fóruns, à possibilidade de sites onde se baixa conteúdo de graça serem “excluídos” da internet. A reclamação começa e termina em “Não poderei mais baixar meus filmes/séries/jogos/músicas!”

Fala-se em censura, em autoritarismo, em corporativismo. Mas não há nenhum comentário sobre as medidas contidas nos projetos que caracterizam a censura, o autoritarismo e o corporativismo. O Congresso dos Estados Unidos é malvado porque quer me impedir de baixar o que eu quiser sem ter que pagar por isso.

Não quero abordar o prejuízo que a pirataria traz para quem compra um produto legal. Nem discutir se a disponibilização de conteúdo em sites de download gratuitos é ou não pirataria, ou se o projeto de Azeredo, que não trata do download ilegal de conteúdo, não foi divulgado porque a malvada mídia manipuladora tem interesse em sua aprovação. O que me deixou intrigado foi o contra-senso: o protesto é válido, mas muitos o estão apoiando para que possam continuar fazendo algo que é criticado também pelos próprios idealizadores do protesto.

As empresas e sites que apoiaram o protesto contra aquelas leis de nomes que soam tão ridículos em português não fizeram isso para que você possa continuar baixando, de graça, conteúdo pelo qual deveria pagar. O que elas repudiam são os métodos de controle e repressão, que podem retirar do ar páginas que não são utilizadas para a pirataria, entre outras coisas.

Será que em breve até nós do PdH teremos que compartilhar arquivos assim?

Se os dois projetos impedissem somente o acesso dos americanos aos sites de download, será que haveria tanto apoio dos brasileiros, ou de usuários do mundo todo? Estaríamos tão preocupados com a censura ou com o “fim da liberdade na internet”? Ou o nosso posicionamento seria “eu vou continuar fazendo meus downloads mesmo, então foda-se”, como ocorreu com o projeto de Azeredo?

Responda, com sinceridade: por que você, que espalha aos quatro ventos que o Congresso americano quer criar uma ditadura digital, foi contra o SOPA e o PIPA? Porque realmente entende todas as implicações de sua aprovação e não concorda com elas? Ou porque, se os projetos forem aprovados, você passará a ter que pagar pelo conteúdo digital que consome?

Vi Aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação, Tempos obscuros