Arquivo do mês: janeiro 2012

Sobre livros e espalhar a doçura

Este vídeo, de fato, é a coisa mais doce que eu vi nos últimos tempos. Assistam, vocês vão amar.

 

Via Livros e Afins

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Ensino, Literatura

Bibliocanto (suporte) Star Wars

 



aparadores de livros 640x640 Apoio para livros Guerra nas Estrelas cinema arte arquitetura

Tem como prosseguir a vida humana sem?Vi Aqui: Livros e afins

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Coisas sobre informação

Mais Estantes!!!!

Ás vezes acho que precisaria ter uma casa gigante se fosse acomodar todas as estantes que vejo e adoro, estaa são as mais recentes:

 


Anita blue letters 665x375 640x360 Estantes de letra design 2

Anita BOOK shelf 665x569 640x547 Estantes de letra design 2

Anita BOOKS shelf 665x569 640x547 Estantes de letra design 2

Anita DESIGN shelf 665x375 640x360 Estantes de letra design 2

Anita HOME shelf 665x569 640x547 Estantes de letra design 2

Anita HOTCOLD shelves 665x570 640x548 Estantes de letra design 2

Anita LOVE room divider 665x375 640x360 Estantes de letra design 2

Anita modular shelving 665x569 640x547 Estantes de letra design 2

Anita red MUSIC shelf 665x569 640x547 Estantes de letra design 2

Customizable shelf 665x569 640x547 Estantes de letra design 2

Além de você poder escrever a palavra que preferir na sua parede, você pode guardar livros ou outros objetos decorativos nessas prateleiras. São vendidas na Quattria (só importando). Estão disponíveis para parede e chão. (Via)

 

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!, Na Biblioteca

Nós somos honestos? O que encontramos ao “perdermos” 960 celulares ao redor do mundo Por Simon Hemelryk

http://www.selecoes.com.br/n%C3%B3s_somos_honestos_3134/

Depois do almoço, enquanto caminhava de volta para o trabalho por uma rua arborizada nos arredores da Av. Paulista, em São Paulo, Denis Martins passa por um celular abandonado. O telefone está tocando. O técnico de informática de 26 anos pára e atende. “É, você deixou o aparelho em cima de uma mureta”, diz à mulher no outro lado da linha. “Onde você está?” Agradecida, a dona lhe diz estar a três quadras dali. Pouco depois, Denis a encontra e lhe entrega o celular. Em outra parte do mundo, numa praça do agitado Soho, no centro de Londres, outro celular foi largado próximo a uma estátua do rei Carlos II. Ali perto, um homem de casaco preto, 20 e poucos anos, dá migalhas de pão aos pombos. Ele espera passar um grupo de turistas e pega o celular. Olhando para os lados, desaparece apressado na movimentada Oxford Street. Não liga para nenhum dos números armazenados no aparelho, e o dono nunca mais vê o celular. Na capital húngara, Budapeste, Ildikó Juhász, pensionista, de aparência jovem, encontra outro celular tocando, dessa vez num shopping. Pega o aparelho, fala com a mulher que o perdeu e espera num banco até que ela venha buscá-lo. “Eu devolvo tudo o que acho”, diz Ildikó. “Certa vez, encontrei uma carteira de identidade e passei uma semana procurando o dono.” Em cada um desses casos, quem “esqueceu” o telefone não era uma pessoa comum descuidada, mas um pesquisador do Reader’s Digest que realizava uma experiência. Em julho de 2006, fomos manchete no mundo inteiro ao avaliarmos a gentileza das pessoas (Afinal, o brasileiro é bonzinho?). Este ano, decidimos testar a honestidade mundial, enviando repórteres às cidades mais populosas de 32 países, para que “abandonassem” ao todo 960 celulares, de preço médio, em locais públicos movimentados. Nós ficávamos observando o celular a distância, ligávamos para ele e esperávamos para ver se alguém atenderia e o devolveria, se ligaria mais tarde para os números que havíamos gravado no aparelho, ou se ficaria com o telefone. Afinal, eram celulares tentadores, novinhos em folha, com cartões SIM que permitiriam às pessoas usá-los, caso decidissem ficar com eles. Depois, classificamos a honestidade de cada lugar pesquisado, de acordo com a quantidade de telefones devolvidos. Não foi um estudo científico, mas um retrato do comportamento de pessoas comuns quando inusitadamente confrontadas com uma possibilidade de escolha: tento devolver o telefone ou fico com ele para mim? O que descobrimos foi surpreendente. A Eslovênia pode ser um país jovem – ficou independente da Iugoslávia em 1991 e só em 2004 entrou para a União Européia –, mas as pessoas da capital, Liubliana, têm uma noção bem tradicional de cidadania. Digna de cartão-postal, essa cidadezinha localizada nos contrafortes dos Alpes era de longe a menor da pesquisa, com apenas 267 mil habitantes. Talvez por isso tenha terminado em primeiro lugar na disputa de honestidade. Da freira no ponto de ônibus ao jovem garçom na cafeteria – que também devolveu a jaqueta de couro que nosso repórter acidentalmente esqueceu –, as pessoas foram quase todas exemplares, com apenas um dos nossos 30 telefones não devolvido. Será que os cidadãos de uma cidade muito maior, com todo o estresse e a correria, conseguiriam ser honestos assim? As pessoas de Toronto (com 5,4 milhões de habitantes), no Canadá, chegaram perto, devolvendo 28 dos 30 telefones que perdemos lá. “Se podemos ajudar o próximo, por que não?”, perguntou o corretor de seguros Ryan Demchuk, 29 anos, que devolveu o celular encontrado próximo a uma agência bancária, numa estação de metrô. “A integridade nesta cidade é incrível. Eu perdi a carteira, e me devolveram. E já devolvi duas carteiras em uma semana.” Seul, na Coréia do Sul, ficou em terceiro lugar no nosso ranking, seguida de Estocolmo, na Suécia, onde, para as pessoas com quem conversamos, fazer o certo era parte da vida cotidiana. A inspetora de passagens de trem Lotta Mossige-Norheim encontrou o celular numa rua e o devolveu: “Estou sempre ligando para pessoas que deixaram aparelhos no trem”, disse. Algumas pessoas ficaram surpresas, quando, no ano passado, Nova York terminou entre os primeiros na nossa classificação global de boas maneiras, mas os nova-iorquinos provaram que não se tratava de um episódio isolado. Nova York ficou em quinto lugar este ano, empatando com Mumbai, na Índia, e Manila, nas Filipinas. Em cada uma, 24 dos 30 telefones foram devolvidos. Antes de pegar o celular e falar conosco, o técnico Derrick Wolf, 25 anos, cutucou com o pé o aparelho que havíamos deixado próximo a um chafariz no Central Park, em Nova York. “Achei que podia ser uma bomba”, explicou. “O medo pode impedir alguns nova-iorquinos de pegar um celular estranho, mas a maioria é bem honesta.” Em Mumbai, os habitantes foram tão ávidos em demonstrar integridade que, quando um homem pegou o telefone que deixamos num armazém e informou ao proprietário do estabelecimento, Manoj Patil, que ficaria com o aparelho, este mobilizou um grupo de amigos para buscar o sujeito numa loja de roupas ali perto, onde ele era vendedor, e levá-lo de volta ao armazém para enfrentar as conseqüências do seu ato. “Eu ia devolver o telefone”, disse o homem, tentando convencer nosso repórter, enquanto um grupo de pessoas encolerizadas o repreendia por seu comportamento. “Então por que o desligou?”, perguntou o repórter. O homem soltou uma risada constrangida e fugiu. Empatadas em último lugar ficaram a capital da Malásia, Kuala Lumpur, e Hong Kong, com apenas 13 de nossos 30 celulares devolvidos. No shopping Times Square, em Causeway Bay, Hong Kong, um segurança pegou o telefone, perguntou a um grupo de pessoas que fumavam se pertencia a algum deles e, em seguida, o enrolou num papel. Quando nosso repórter o abordou, o homem disse: “Que telefone? Não vi telefone algum. Se você perdeu alguma coisa, vá à central de Achados e Perdidos.” Enquanto falava, apertava o celular na mão. De fato, parece que nem sempre podemos confiar nos homens fardados, pois este foi apenas um dos seis seguranças de shoppings, em diferentes partes do mundo – de Buenos Aires a Sydney –, que nossos repórteres viram embolsando aparelhos. Mas o fato de todos os policiais que encontramos terem agido com honestidade (inclusive em São Paulo, onde não se confirmou a idéia de corrupção generalizada dos policiais brasileiros) nos tranqüiliza. Em Bucareste, Romênia – empatada em último lugar com Amsterdã no ranking europeu, com 16 telefones não devolvidos –, um homem de seus 30 anos, vestindo casaco azul, mostrou-se particularmente ávido em ficar com o celular que deixamos num carrinho de supermercado. Desligou o aparelho enquanto nosso repórter tentava ligar, correu para o carro, pisou fundo no acelerador e saiu do estacionamento cantando pneu. Na verdade, parece haver necessidade de uma força maior para incentivar a honestidade na capital romena. A Sra. Stanciu Vica, de 68 anos, foi uma das várias pessoas que mencionaram a religião ao explicar por que nos ajudaram. “Como eu poderia ficar com algo que não era meu?”, perguntou. “Deus me transformaria em pedra!” Riqueza não foi garantia de honestidade. Na próspera Nova Zelândia, uma mulher bem-vestida, de seus 50 anos, pegou o celular “perdido” numa prateleira da loja de departamentos Smith and Caughey’s, na sofisticada Auckland, desceu a rua às pressas e jamais tentou contatar nosso repórter. No entanto, uma jovem, que parecia quase miserável e trazia três filhos a reboque, devolveu o aparelho que encontrou no Parque Ibirapuera, em São Paulo. “Posso não ser rica”, ela disse, “mas meus filhos vão saber o valor da honestidade.” Em muitos países, as pessoas pensavam que os jovens se comportariam pior do que os mais velhos. Mas descobrimos que jovens são tão honestos quanto os idosos. No centro de alimentação da Plaza Universidad, na Cidade do México, um casal grisalho, por volta dos 70 anos, passou pelo celular, e em seguida o homem voltou para pegá-lo. O casal ignorou a ligação do repórter e fugiu o mais rápido possível por uma escada rolante. Mas no Harlem, em Nova York, um jovem pegou o telefone no chão e combinou de encontrar nosso repórter numa esquina aquela noite. Johnnie Sparrow, 16 anos, estava acompanhado de um grupo de meninos negros mais novos, que claramente o respeitavam. Quando o repórter lhes contou sobre o teste secreto que havíamos realizado com seu líder, Johnnie orgulhosamente lhes disse: “Eu fiz o certo.” As mulheres se mostraram ligeiramente mais propensas a devolver o celular do que os homens. “As mulheres costumam buscar oportunidades de melhorar as relações, e a boa ação é uma maneira de fazer isso”, observa Terrence Shulman, advogado e fundador do Centro Shulman para Tratamento de Roubo e Gastos Compulsivos (Shulman Centre for Compulsive Theft and Spending), em Franklin, Michigan. “Elas também são menos propensas a ter inclinação criminosa.” No mundo todo, a razão mais comum que as pessoas nos deram para devolver o telefone foi que elas também haviam perdido algum objeto de valor e não queriam que outros passassem pelo que tinham passado. “Já me roubaram o carro três vezes, e até levaram minha roupa limpa da lavanderia do prédio”, disse Kristiina Laakso, 51 anos, que nos ajudou em Helsinque. O agente imobiliário Lewis Lim devolveu nosso celular “esquecido” no distrito financeiro de Cingapura, em vez de deixá-lo sob risco de ser encontrado por alguém menos escrupuloso. “Quando perdi um celular, recebi uma mensagem da pessoa que o encontrou dizendo que eu teria de pagar 200 dólares para recebê-lo de volta. Agora nem ouso usar aparelhos caros.” Outros cidadãos conscienciosos sabiam da importância que o telefone pode ter, independentemente do preço, por causa das informações pessoais que ele contém. Yann, mensageiro que encontrou o celular perto do Banco HSBC, em Paris, explicou: “Certa vez, achei um celular lindo que era de uma autoridade da embaixada egípcia. Estava cheio de números de pessoas importantes, e claro que devolvi.” A influência dos pais teve peso para alguns. “Meus pais me ensinaram que, se algo não é meu, não devo pegá-lo”, disse Muhammad Faizal Bin Hassan, empregado de um complexo comercial de Cingapura, onde atendeu à nossa ligação. Ao verem o telefone, muitos adultos acompanhados de crianças ficavam ansiosos para mostrar aos mais jovens como se comportar. Em São Paulo, Claudir Roberto de Miranda, 39 anos, estava com os dois filhos quando atendeu à nossa chamada e confirmou ter encontrado o celular em cima de uma estátua, no Parque Ibirapuera. “Fico feliz que meus filhos estejam aqui para ver isso. Espero que lhes sirva de bom exemplo”, comentou. Nem todos, porém, estavam tão preocupados em causar uma boa impressão aos filhos. Em Amsterdã, um menino holandês de seus 10 anos implorou aos pais que o deixassem ficar com o celular encontrado na Kalverstraat. Eles pareceram hesitar, mas, depois que o menino deu um beijo no rosto da mãe e abriu um sorriso, os dois cederam. Mas como podemos avaliar o planeta Terra no nosso teste de honestidade? Em todos os lugares aonde fomos, os repórteres ouviram muito pessimismo sobre as chances de recuperarmos os telefones. “A desonestidade tomou conta da Alemanha”, reclamou Doreen, vendedora de Berlim. Muitos tailandeses que entrevistamos em Bangcoc achavam que teríamos sorte se revíssemos metade dos telefones. Os repórteres de Milão estavam certos de que os italianos seriam “embusteiros demais” para devolver os aparelhos. Os moradores da Cidade do México disseram que a má economia levaria as pessoas a agir com egoísmo. E, no entanto: dos 30 celulares, 21 foram devolvidos em Berlim e Bangcoc; e 20 em Milão e na Cidade do México. No total, 654 celulares – animadores 67% – foram devolvidos. “Apesar do que nos diz a mídia, o crime não é a regra”, afirma Paul Ekman, psicólogo da Universidade da Califórnia, autor de Emotions revealed (Emoções reveladas) e especialista em detecção de mentira. “As pessoas querem confiar e ser dignas de confiança.” Ferenc Kozma concordaria. Este húngaro de 52 anos, que antigamente trabalhava como mestre-de-obras, é sem-teto há seis anos, mas jamais lhe ocorreu ficar com o telefone que encontrou numa estação de trem, em Budapeste. Ele o entregou a um vendedor de jornais. “Podemos achar e perder objetos”, disse. “Mas nunca perdemos a honestidade.” O mal-agradecido Trabalhávamos em dupla. Eu “perdia” os celulares e a editora Liane Mufarrej fazia as ligações e “negociava” com os que tentavam nos devolver os aparelhos. Otimista e tarimbado pela pesquisa de honestidade de Seleções há dez anos, quando “perdemos” carteiras com dinheiro em dez cidades do país, achei que em uma manhã cumpriria a meta de perder dez celulares na região da Av. Paulista, em São Paulo. Mas a manhã chegava ao fim, e eu ainda carregava quatro celulares comigo. Sentei-me no banco de um ponto de ônibus movimentado e aguardei. Um ônibus parou. As pessoas ao meu lado se levantaram e eu, após olhar em volta furtivamente, deixei escapulir do bolso um dos celulares e saí. Quando já comemorava a “desova”, ouço uma mulher gritando: “Você esqueceu o celular!” Para a pesquisa, esse não valeu. Fui buscar o aparelho disfarçando a expressão de contrariedade. A mulher, que fazia a boa ação do dia, ficou surpresa com a minha reação fria. Ainda ouvi um resmungo de “mal-agradecido”, enquanto ela se afastava. Bem, eis meu pedido de desculpas. Sérgio Charlab

Posição no ranking

Cidade País Telefones recuperados (de 30)

1 Liubliana Eslovênia 29

2 Toronto Canadá 28

3 Seul Coréia do Sul 27

4 Estocolmo Suécia 26

5 Mumbai Índia 24

Manila Filipinas 24

Nova York EUA 24

8 Helsinque Finlândia 23

Budapeste Hungria 23

Varsóvia Polônia 23

Praga República Checa 23

Auckland Nova Zelândia 23

Zagreb Croácia 23

14 São Paulo Brasil 21

Paris França 21

Berlim Alemanha 21

Bangcoc Tailândia 21

18 Milão Itália 20

Cidade do México México 20

Zurique Suíça 20

21 Sydney Austrália19

Londres Reino Unido 19

23 Madri Espanha 18

24 Moscou Rússia 17

25 Cingapura Cingapura 16

Buenos Aires Argentina 16

Taipei Taiwan 16

28 Lisboa Portugal 15

29 Amsterdã Holanda 14

Bucareste Romênia 14

31 Hong Kong Hong Kong

13 Kuala Lumpur Malásia 13

 

Vi aqui

Deixe um comentário

Arquivado em Coisas sobre informação, Tempos obscuros

Como se tornar um grande escritor? (por Laurentino Gomes)

 Texto escrito por Laurentino Gomes, ganhador do prêmio Jabuti para autores de não-ficção, em seu blog.

Muitos leitores me escrevem pedindo conselhos. Sonham ser escritores. Alguns são bastante jovens, estudantes com idades entre 12 e 14 anos. Que conselhos poderia eu dar a pessoas de idade tão tenra, na qual a vida é ainda um oceano de possibilidades repleto de escolhas tão difíceis?

O primeiro conselho: leia muito.

Bons escritores são antes de tudo bons leitores. Só a leitura nos ajuda a dominar as ferramentas que a língua portuguesa oferece para que possamos escrever bem. Leia de tudo que puder, mas especialmente literatura brasileira: Machado de Assis, João Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade, Érico Veríssimo, Jorge Amado, Dalton Trevisan – há uma infinidade de grandes escritores que dominaram a língua portuguesa como ninguém e podem ser nossos professores, mesmo que alguns já tenham morrido.

Se puder, leia também os autores portugueses. José Saramago pode ser difícil para um leitor iniciante? Então, comece, por exemplo, por Miguel Sousa Tavares, autor do magistral “Equador”. Experimente os autores das ex-colônias portuguesas na África, em especial o moçambicano Mia Couto e o angolano José Eduardo Agualusa, meus amigos pessoais. A leitura dos autores de Portugal e África pode ser uma aventura fascinante, que nos ajuda a decifrar as sutilezas existentes nos dois lados do Atlântico no uso desse tesouro que é a nossa língua portuguesa.

A leitura também vai ensinar o gosto pela pesquisa. Estudar e pesquisar é um prazer inigualável. A pesquisa é a etapa mais lenta, mas também e mais divertida e fascinante no trabalho de construção de um livro. Gosto mais de ler do que de escrever. É uma experiência indescritível desvendar detalhes de um personagem ou acontecimento que eu desconhecia até iniciar a pesquisa sobre o tema. Às vezes sinto-me como um garimpeiro que, pacientemente, remexe o cascalho em busca de uma pepita de ouro. É assim que funciona a pesquisa. Às vezes, o detalhe mais interessante está escondido no meio de um parágrafo obscuro na segunda metade de um livro antigo.

Outra sugestão importante: procure ser organizado e disciplinado no trabalho como escritor. O processo de pesquisa e fechamento da edição dos meus livros é semelhante ao de uma redação de jornal ou revista, só com prazos mais alongados. O segredo da boa reportagem, e também do bom livro, está no planejamento. Jornalista ou escritor que não se planeja corre dois riscos opostos: ou trabalha demais ou trabalha de menos. Se você vai para a rua sem saber se a sua matéria será reportagem de capa, de apenas uma página ou uma coluna de uma revista, acaba apurando ou mais informação do que deve ou voltando para a redação com menos material do que o necessário. Aprendi isso a duras penas nesses trinta anos de carreira.

Ao começar a escrever um novo livro, eu planejo com detalhes todos os passos da pesquisa: quantas e quais obras e fontes terei de consultar, quem poderá me dar orientação sobre o tema, que lugares visitarei, quanto tempo cada uma dessas etapas do trabalho vai exigir. Para fazer o próximo livro, o 1889, sobre a Proclamação da República, já tenho pela frente uma bibliografia de mais de 150 livros sobre o Segundo Reinado e a Proclamação da República. Li até agora pouco mais de trinta. Estabeleci um prazo de um ano e meio para ler o restante. Em seguida, mais seis meses para escrever e outros três meses para editar o livro. E em geral cumpro esses prazos à risca. Acho uma pena que escritores se comprometam em prazos com as editoras e não consigam cumpri-los.

São conselhos simples, até óbvios, mas acho que podem ajudar muito esses jovens candidatos a escritores ao longo dessa bela caminhar que se propõem a realizar.

Extraído daqui, mas recebi por aqui.

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino, Literatura

Vocabulário, leitura e pensamento

Que sou fascinada pela palavra e suas sutilezas não é nenhuma novidade. Mas sempre me espanta que as pessoas ainda duvidem do poder do verbo.

Ao ler este post aqui, lembrei imediatamente do livro “1984” de George Orwell, em que, numa realidade completamente comandada pelo Estado, as pessoas vivem sob um controle tão absoluto que até o dicionário vai sendo reduzido, tirando de seu conteúdo palavras que conduzam o indivíduo ao raciocínio, ao questionamento, à dubiedade, ou seja, ao pensamento.

Comparando à nossa realidade, será que, os estudantes do ensino médio, por exemplo, têm um vocabulário adequado ao nível de cultura que se espera deles? E quantos destes que você conhece, se interessam em saber o significado de alguma palavra desconhecida?

Que bom que “1984” é apenas uma ficção , não é?

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino, Literatura