Arquivo do mês: outubro 2011

Estudo revela que Brasil usa métodos de alfabetização ineficiente

<iframe src=’http://www.cbn.com.br/Player/play

 

Debate com João Batista Araújo e Oliveira, doutor em Educação pela Florida State University e presidente do Instituto Alfa e Beto; e Aloísio Araújo, professor da Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE/FGV).

 

Fonte: CBN

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino, Literatura

Arte de pagar suas dívidas , A E satisfazer seus credores sem desembolsar um tostão

Arte de pagar suas dívidas , A
E satisfazer seus credores sem desembolsar um tostão
Saint-Hilaire, Émile Marco de

Sinopse
A arte de pagar suas dívidas e satisfazer seus credores sem desembolsar um tostão é um título que já resume, de certa forma, esta peculiar obra. Datada de 1827 e publicada em Paris, seu autor é considerado Émile Marc Hilaire, que em seu tempo foi responsável por escrever uma série de “guias” como este, direcionados à elite da época e publicados por Honoré de Balzac (que, na verdade, talvez tenha sido o verdadeiro escritor da obra sob um pseudônimo). Alguns exemplos desses títulos são: A arte de nunca almoçar sozinho e sempre jantar na casa dos outros, A arte de fumar e apreciar rapé sem desagradar as belas, ou A arte de colocar sua gravata.

Quanto a este livro, particularmente, são apresentadas em dez lições, e uma conclusão, uma série de artifícios para o devedor ganhar a confiança do seu credor. Ao contrário do que o supostamente óbvio título indica, esta obra se configura mais como uma sátira do que um guia propriamente dito. Com uma linguagem sarcástica, são apresentadas as facetas da vida econômica e social da França do século XIX, levando o leitor atual a descobrir este tempo por meio de uma leitura incomum.

Via: Lançamentos Editora UNESP

 

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria

Livro vai contar a história da produtora Pixar e suas animações de sucesso

Via : REDAÇÃO MTV

 Será lançado no próximo dia 2 de novembro o livro ‘The Art of Pixar: 25th Anniv.: The Complete Color Scripts and Select Art from 25 Years of Animation’, que promete contar a história e os bastidores de todos os filmes da Pixar criados até hoje – 12 longas-metragens e 20 curtas-metragens.

O livro terá 320 páginas que privilegiam imagens, como os colorscripts dos filmes, que mostram, entre outros detalhes, alterações de cor e iluminação de seus personagens durante todo o processo de produção.

Fundada em 1986, a Pixar Animation Studios surgiu de uma divisão de computação gráfica da Lucasfilm, empresa de George Lucas. Seu primeiro longa-metragem lançado foi ‘Toy Story’ (1995). O livro faz parte das comemorações do aniversário de 25 anos da empresa responsável por produções que marcaram o cinema, como Carros, Wall-E, Toy Story, Procurando Nemo, entre outros.

Um fã da empresa produziu um vídeo com imagens de todos os filmes, assista:

2 Comentários

Arquivado em Literatura, Na Biblioteca

Ciência vira piada no palco do Bright Club

Nascido dentro de uma universidade, clube de comédia britânico faz sucesso levando ao palco cientistas de todas as áreas com apresentações bem-humoradas e didáticas sobre aceleradores de partículas, poesia viking e datação radiométrica, entre outros assuntos ‘divertidos’

Marco Túlio Pires
"Além de dar boas risadas, a plateia sai com a sensação de que realmente aprendeu alguma coisa sobre diversos assuntos", diz o idealizador do Bright Club, Steve Cross“Além de dar boas risadas, a plateia sai com a sensação de que realmente aprendeu alguma coisa sobre diversos assuntos”, diz o idealizador do Bright Club, Steve Cross (Junião)

“O barman diz: ‘não atendemos neutrinos aqui’. Um neutrino entra no bar e pede uma bebida”. Parece difícil de acreditar, mas isso é uma piada. Se você não riu, não se preocupe. Dificilmente uma piada ‘científica’ faria sentido sem uma boa preparação (entenda a piada no quadro abaixo). Este tipo de humor é característico do repertório do Bright Club, um clube de comédia que nasceu em 2009 na University College London, na Inglaterra, e hoje lota pubs e teatros em 13 cidades. No palco, com a mãozinha de humoristas profissionais, acadêmicos de todas as áreas se revezam fazendo piadas sobre o seu próprio trabalho à maneira dos espetáculos de standup comedy.

A última do neutrino

Neutrinos são partículas subatômicas ainda pouco conhecidas. No mês passado, cientistas do CERN mediram neutrinos viajando mais rápido que a luz. O feito foi recebido com ceticismo pela comunidade científica. É que ultrapassar a velocidade da luz vai contra um dos pilares da física moderna: a Teoria da Relatividade, de Einstein. Hipoteticamente, se é possível superar a velocidade da luz, então é possível viajar ao passado. Com isso, quebra-se o princípio da causalidade, pelo qual a causa de um fenômeno deve vir antes de seu efeito, nunca o contrário. É isso o que a piada explora: o barman fala ao neutrino antes mesmo de sua chegada ao bar.

Apesar de não ter sido criado com o propósito de fazer ciência, o Bright Club nasceu como a maioria dos projetos científicos — com um problema e várias perguntas. Em 2009, o geneticista inglês Steve Cross, da University College London (UCL), recebeu a missão de encontrar formas de aproximar a universidade de um público leigo.

“Nós já conseguíamos conversar muito bem com menores de 18 anos, que estão prestes a entrar para o mundo acadêmico, e com maiores de 40 anos, por meio de TV, rádio e internet”, explica Cross, em entrevista ao site de VEJA. “A questão era: como nos aproximar das pessoas entre 20 e 40 anos?”.

A solução que Cross encontrou foi se unir a Miriam Miller, uma produtora de shows de comédia na Inglaterra. A ela, fez outra pergunta: “O que aconteceria se colocássemos no mesmo palco um comediante profissional, uma banda e seis acadêmicos fazendo piadas sobre o próprio trabalho?”

O resultado é uma versão de standup que começou timidamente em um pequena sala da UCL, para 80 pessoas, cresceu e virou atração até do tradicional teatro Bloomsbury, em Londres, uma das casas de comédia mais famosas do país, com capacidade para mais de 500 pessoas. Há planos para inaugurar uma “filial” do Bright Club em Sydney, Austrália, a partir de 2012.

O show acontece mensalmente e cada apresentação aborda um tema diferente. Pelo palco do Bright Club já passaram acadêmicos de toda sorte: economistas, historiadores, físicos, filósofos, arquitetos, cineastas. Além das apresentações, Cross mantém um podcast semanal em que conduz uma conversa descontraída com os pesquisadores. O áudio pode ser acessado gratuitamente na internet.

 

A fórmula do Bright Club

Aquecimento Um comediante entra em cena para ‘aquecer’ o público
Humor Três pesquisadores fazem apresentações de oito minutos cada
Música Em seguida, uma banda anima o público
Intervalo 20 minutos de intervalo
2º bloco A rotina se repete, e a apresentação se encerra

Preparação Entre os acadêmicos, a ideia de se apresentar em público para fazer graça não parece, de início, muito tentadora. Para engajá-los, Cross apela a um sentimento típico da academia: a competitividade. “Quando eu digo aos pesquisadores que colegas da mesma área já se apresentaram e foram muito bem, a maioria acaba aceitando o desafio”, diz. Só em Londres, cerca de 100 pesquisadores da UCL já passaram pelo Bright Club.

Quem participa do Bright Club recebe um ‘treinamento relâmpago’: algumas dicas e sugestões de leitura sobre a arte dos grandes comediantes. “Muitos acadêmicos começam dizendo que jamais fariam parte do Bright Club.” Contudo, semanas após a apresentação, os pesquisadores querem logo voltar para o palco. “Mal posso esperar pela próxima vez”, afirma a neurocientista Sophie Scott, que já fez algumas apresentações no clube (continue lendo a matéria)


No Bright Club sobre alimentação, o pesquisador Hugh Harvey falou sobre gengibres, no dia 21 de setembro de 2010

No Bright Club sobre alimentação, o pesquisador Hugh Harvey falou sobre gengibres, no dia 21 de setembro de 2010 – Hilary Jackson

Ampliar Fotos

Sucesso — Para Cross, uma das razões do sucesso do Bright Club é que seu formato diverte e também ensina. “Além de boas risadas”, afirma, “as pessoas saem com a sensação de que realmente aprenderam algo sobre diversos assuntos”. Outra razão é buscar um público  — a maioria entre 28 e 35 anos — avesso a baixarias gratuitas. “Você não vê pessoas gritando ou falando baixarias gratuitas em nosso show. Mesmo quando o pesquisador não é a pessoa mais engraçada do mundo, a plateia está disposta a se divertir e aproveitar o momento para aprender algo novo”

 

Circuito brilhante

O Bright Club surgiu em Londres, espalhou-se pelo Reino Unido e em 2012 chega à Austrália

Cross acredita que o Bright Club pega carona no caminho aberto por grandes sucessos da televisão, como The Big Bang Theory, sitcom sobre a rotina de um grupo de nerds, e Mythbusters, série que desfaz de maneira descontraída vários mitos do dito popular. “É uma plateia que gosta de aprender coisas, mas que também quer relaxar”, diz o arqueólogo Joe Flatman, que já se apresentou duas vezes. “O Bright Club mistura tudo isso de uma maneira nova e bem-humorada.”

Rir e aprender — Flatman acredita que superar o desafio de se apresentar no Bright Club foi ainda mais complicado que apresentar sua tese de doutorado. A chefe do departamento de estudos sobre a Escandinávia da UCL, a doutora Claire Thomson, concorda: “O que poderia ser mais difícil do que estar diante de 500 pessoas tentando fazê-las rir e aprender algo ao mesmo tempo?”

 

Via: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/conheca-o-bright-club-a-comedia-standup-dos-cientistas

 

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino

Os 100 livros mais baixados no Projeto Gutenberg em português

No Projeto Gutenberg você pode baixar grátis mais de 30 mil livros eletrônicos grátis para ler no seu computador, iPhone, Kindle, Sony Reader ou outros dispositivos portáteis.

São todos livros que estão em domínio público e, por isso, não sofrem com a incidência de direitos autorais restritos. O trabalho no site é feito de forma colaborativa.

Atualmente, o Gutenberg precisa de pessoas dispostas a atualizar a ortografia dos livros em português.

  1. Noções elementares de archeologia by Joaquim Possidónio Narciso da Silva (1299)
  2. A Revolução Portugueza: O 5 de Outubro (Lisboa 1910) by Francisco Jorge de Abreu (849)
  3. Como eu atravessei Àfrica do Atlantico ao mar Indico, volume primeiro by Pinto (466)
  4. A Revolução Portugueza: O 31 de Janeiro (Porto 1891) by Francisco Jorge de Abreu (304)
  5. Paisagens da China e do Japão by Wenceslau José de Sousa de Morais (254)
  6. Os Lusíadas by Luís Vaz de Camões (245)
  7. Da terra à lua by Jules Verne (208)
  8. A Cidade e as Serras by José Maria Eça de Queirós (199)
  9. Novo dicionário da língua portuguesa by Cândido de Figueiredo (166)
  10. Como eu atravessei Àfrica do Atlantico ao mar Indico, volume segundo by Pinto (151)
  11. Notas d’arte by António de Lemos (140)
  12. Contos by José Maria Eça de Queirós (133)
  13. A correspondência de Fradique Mendes by José Maria Eça de Queirós (127)
  14. Os meus amores by José Francisco Trindade Coelho (114)
  15. Four Plays of Gil Vicente by Gil Vicente (106)
  16. Amor Crioulo by Abel Acácio de Almeida Botelho (103)
  17. Galleria dos Vice-reis e Governadores da India Portugueza by José Maria Delorme Colaço (99)
  18. Hamlet: Drama em cinco Actos by William Shakespeare (96)
  19. Orpheu Nº1 by Álvaro de Campos (90)
  20. Album chulo-gaiato ou collecção de receitas para fazer rir by Anonymous (87)
  21. O culto da arte em Portugal by José Duarte Ramalho Ortigão (87)
  22. Dispersão by Mário de Sá-Carneiro (87)
  23. As Minas de Salomão by Henry Rider Haggard (85)
  24. Descobrimento das Filippinas pelo navegador portuguez Fernão de Magalhães by Alberto da Silva (84)
  25. A Illustre Casa de Ramires by José Maria Eça de Queirós (81)
  26. Obras Completas de Luis de Camões, Tomo II by Luís de Camões (78)
  27. Visitas ao Santissimo Sacramento e a Maria Santissima para todos os dias do mez by Unknown (77)
  28. Os Lusíadas by Luís Vaz de Camões (76)
  29. Vasco da Gama (74)
  30. A Casa dos Fantasmas – Volume I by Luiz Augusto Rebello da Silva (69)
  31. Portugal e Ilhas Adjacentes by Francisco Adolfo Coelho (69)
  32. O Mandarim by José Maria Eça de Queirós (68)
  33. Bases da ortografia portuguesa by Abreu and Viana (68)
  34. Bases para a unificação da ortografia que deve ser adoptada nas escolas e publicações oficiais (68)
  35. O presbyterio da montanha by António Feliciano de Castilho (67)
  36. Indice chronologico dos factos mais notaveis da Historia do Brasil by Malheiro (66)
  37. Trovas do Bandarra by Gonçalo Anes Bandarra (66)
  38. O Infante D. Henrique e a arte de navegar dos portuguezes by Vicente de Almeida de Eça (65)
  39. Contos para a infância by Abílio Manuel Guerra Junqueiro (65)
  40. Carta da Companhia by José de Anchieta (64)
  41. A Lenda da Meia-Noite by Manuel Pinheiro Chagas (63)
  42. A Velhice do Padre Eterno by Abílio Manuel Guerra Junqueiro (61)
  43. Tractado da terra do Brasil by Pero de Magalhães Gandavo (60)
  44. Viagens na Minha Terra by João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett (59)
  45. Costumes Madrilenos by Sebastião de Magalhães Lima (59)
  46. O Mysterio da Estrada de Cintra by José Duarte Ramalho Ortigão and José Maria Eça de Queirós (59)
  47. Amor de Salvação by Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (58)
  48. Aves Migradoras by José Valentim Fialho de Almeida (58)
  49. Perolas e Diamantes by Jacob Grimm and Wilhelm Grimm (57)
  50. O vinho do Porto: processo de uma bestialidade ingleza by Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (57)
  51. A Relíquia by José Maria Eça de Queirós (57)
  52. Frei Luiz de Sousa by João Batista da Silva Leitão de Almeida Garrett (56)
  53. Resumo elementar de archeologia christã by Joaquim Possidónio Narciso da Silva (56)
  54. O descobrimento da Australia pelos portuguezes em 1601 by Richard Henry Major (56)
  55. Amor de Perdição by Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (56)
  56. Portugal e Brazil: emigração e colonisação by D. A. Gomes Pércheiro (56)
  57. Descobrimentos dos Portuguezes nos Seculos XV e XVI by A. F. Marx de Sori (55)
  58. Livro de Máguas by Florbela de Alma da Conceição Espanca (55)
  59. Manifesto dos Estudantes da Universidade de Coimbra á opinião illustrada do paiz by Quental (55)
  60. Oliveira Martins: Estudo de Psychologia by Guilherme Moniz Barreto (55)
  61. Camilleana by João Xavier da Mota (54)
  62. Chronica de el-rei D. Pedro I by Fernão Lopes (53)
  63. As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1878-02/05) (53)
  64. Pátria by Abílio Manuel Guerra Junqueiro (53)
  65. A Morgadinha dos Cannaviaes by Júlio Dinis (53)
  66. O Descobrimento do Brazil by Manuel Ferreira Garcia Redondo (52)
  67. Lendas e Narrativas (Tomo I) by Alexandre Herculano (51)
  68. As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1882-11/12) (50)
  69. Alguns homens do meu tempo by Maria Amália Vaz de Carvalho (50)
  70. Cartas de Inglaterra by José Maria Eça de Queirós (49)
  71. Flores do Campo by João de Deus (48)
  72. Viriatho by Joaquim Teófilo Fernandes Braga (48)
  73. Um club da Má-Lingua by Fyodor Dostoyevsky (48)
  74. Ruy o escudeiro: Conto by Luís da Silva Mousinho de Albuquerque (47)
  75. Inscripções portuguezas by Luciano Cordeiro (47)
  76. Memoria sobre a descoberta das ilhas de Porto Santo e Madeira 1418-1419 by Bettencourt (47)
  77. Os Pobres by Raul Germano Brandão (46)
  78. As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1873-03/04) (46)
  79. Infelizes by Ana de Castro Osório (46)
  80. Bom-senso e bom-gosto by Antero de Quental (46)
  81. Contos e Lendas by Luiz Augusto Rebello da Silva (46)
  82. Luiz de Camões marinheiro by Vicente de Almeida de Eça (45)
  83. No Paiz dos Yankees by Adolfo Ferreira Caminha (45)
  84. A Pata no Choco by Anonymous (44)
  85. As Farpas: Chronica Mensal da Politica, das Letras e dos Costumes (1873-01/02) (44)
  86. O que fazem mulheres by Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (44)
  87. Luiz de Camões: notas biograficas by Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (44)
  88. A Casa do Saltimbanco by Mme. de Stolz (44)
  89. O Regicida by Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (44)
  90. Noites de insomnia, offerecidas a quem não póde dormir. Nº5 (de 12) by Castelo Branco (43)
  91. A gravura em Portugal by Francisco Marques Sousa Viterbo (43)
  92. A Queda d’um Anjo by Camilo Ferreira Botelho Castelo Branco (43)
  93. Um novo mundo by Guilherme Read Cabral (43)
  94. Sá de Miranda e a sua Obra by Décio Carneiro (42)
  95. Os jesuitas e o ensino by João Pandiá Calógeras (42)
  96. Os Filhos do Padre Anselmo by António José da Costa Couto Sá de Albergaria (42)
  97. Enfer. Portuguese by Auguste Callet (42)
  98. Orpheu Nº2 by Álvaro de Campos (41)
  99. Trovas Inedìtas de Bandarra by Gonçalo Anes Bandarra (41)
  100. Paródia ao primeiro canto dos Lusíadas de Camões por quatro estudantes de Évora em 1589 (40)

Texto extraído do blog Livros e afins

1 comentário

Arquivado em Literatura, Na Biblioteca

Diferença de salario é maior por escolaridade

Categoria: Trabalho

Os homens ainda são maioria no mercado de trabalho e possuem salário maior que o das mulheres, segundo o Cadastro Central de Empresas 2009 (Cempre), divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística (IBGE). Mas, ao contrário do que ocorria no passado, o gênero não é mais tão determinante para o sucesso profissional. O que impulsiona o salário atualmente é o nível de escolaridade.

Embora os homens ganhassem 24,1% a mais do que as mulheres, segundo a média nacional, a escolaridade mostrou-se mais determinante para o nível salarial. Os trabalhadores que tinham curso superior ganhavam um salário 225% maior do que os que não concluíram a faculdade.

De um montante de 40,2 milhões de trabalhadores assalariados, 33,6 milhões não tinham nível superior (83,5%) contra apenas 6,6 milhões de pessoas com curso superior (16,5%). No entanto, essa fatia de trabalhadores que concluíram a faculdade concentrou R$ 310,6 bilhões, ou 39,7% da massa salarial, enquanto os outros R$ 471,3 bilhões, ou 60,3%, foram distribuídos entre os trabalhadores com menor escolaridade.

O salário médio mensal, em 2009, foi de R$ 1.540,59 ou 3,3 salários mínimos. Os homens receberam, em média, R$ 1.682,07, ou 3,6 salários, enquanto as mulheres receberam R$ 1.346,16, ou 2,9 salários. O levantamento foi conduzido com 4,8 milhões de empresas e organizações, que reuniam 40,2 milhões de assalariados, sendo que 23,4 milhões (58,1%) eram homens e 33,6 milhões (83,5%) não tinham nível superior. Daniela Amorim

via: Estadão

*PS:

Muitos artigos científicos apontam para o grau de escolaridade como fator de risco para a população, quanto mais baixo, menos conhecimento acerca da própria saúde e de como se tratar.

Vamos estudar meu povo!

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino

Por que a aula de literatura é chata?


Se você é professor de literatura e não faz isso, não se preocupe.

Não precisa vestir a carapuça.

Você é legal e nós todos o amamos.

Veja o gráfico abaixo e entenda:

professores de literatura aulas de literatura são chatas Por que a aula de literatura é chata educacao

(via Chongas)

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino, Literatura

O poder dos acessórios

E eu toda feliz por ter aplacado minha sede de objetos pertinentes à Bibliotecas com meus últimos brincos de coruja, abro meu e-mail e vejo isto:

Livros para pendurar no pescoço


Livros e afins

E agora? Como poderei viver sem?

Deixe um comentário

Arquivado em Amei!!!!!

Escrever é um abrigo, ler também

Outro dia lí um artigo do Alessandro Martins, do Livrose Afins, de nome: Literatura, uma forma de alegria.

Lembrei de tantas e quantas horas eu já passei absorta, odiando quando o telefone toca bem na hora em que estou lendo, ou quantas vezes já desci do ônibus depois do que deveria por conta do entretenimento da Literatura.

Outro dia soube de um colégio perto da minha casa, aqui em São Paulo, que tem clássicos e mais clássicos da Literatura Mundial e sequer são catalogados. Utilizados então, nem se fala.

Quando estava cursando Letras, um professor de Gramática sempre finalizava o rodapé de suas provas com a frase de Mário Benedetti: Escribir es un abrigo. Eu compelmento, ler também.

Fica a dica, se você tropeçou neste blog e se deu ao trabalho de ler até aqui, da próxima vez, pegque um livro, desligue a internet e vá ser feliz.

Depois volte, sem pressa e me conte como foi sua viagem.

 

Agora o artigo:

Literatura, uma forma de alegria.


A questão de a literatura ser uma forma de alegria é muito próxima à questão de ser muito melhor estar próximo ao autor que a seus comentaristas, críticos e resenhistas que já abordei com base nas palavras de Jorge Luis Borges.

Pelo visto, vou citar até cansar a tal palestra de Jorge Luís Borges, como venho fazendo nos últimos dias, até que os parágrafos acabem. Até porque cada um deles vale a pena individualmente por motivos diferentes e como um todo por todos esses motivos encadeados.

Então, que seja:

Eu diria que a literatura é também uma forma da alegria. Se lemos alguma coisa com dificuldade, o autor fracassou. Por isso considero que um escritor como Joyce fracassou no essencial, porque a sua obra exige um esforço.

Um livro não deve requerer um esforço, a felicidade não deve exigir esforço. Penso que Montaigne tem razão. Enumera seguidamente os autores que lhe agradam.

E eu, aqui, tentando me dar razão ao citar seguidamente um autor que grandemente me agrada através de uma citação de um autor que grandemente me agrada.

Penso que Borges está certo. É claro que há outras modalidades de alegrias, tais quais a do esforço recompensado ou a que nos dá algo que antes não nos completava mas que, no tempo certo, nos completa. Tal pode acontecer com algum leitor da obra de Joyce. Raramente é claro.
Confesso que, a mim, não aconteceu. Na verdade, nem me arrisquei. Creio que muitos que juraram ter esse prazer, portando algum livro do irlandês sob a axila, mentiram.

Porém, é inevitável pensar novamente em quanto tempo perdi na faculdade ao ler coisas que não me animavam em ir adiante. Mas claro que foi necessário perdê-lo, esse tempo, para ter certeza de que ele foi perdido.

De maneira que, agora, só ocupo minhas poucas horas de leitura com livros que me dêem absoluto prazer.

(publicado originalmente no dia 18 de dezembro de 2006)

Livros e afins

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura

Jogos educativos

Lentamente as pessoas vão percebnendo que sim, os jogos podem ser uma ferramenta de aprendizado para as crianças, divido por matérias escolares.

Recebi via Livros e Afins a dica deste site aqui:

http://www.gameseducativos.com/

Cheio de atividades interessantes para entreter a garotada com conteúdo legal.

Caso seu público seja um pouco mais crescidinho (ou para você mesmo, que me lê neste momento) vale este aqui ó:

http://super.abril.com.br/multimidia/filosofighters-631063.shtml

Super interessante mesmo a síntese das filosofias e a os golpes de cada Filósofo.

Mas se você quer mais, mais , mais diversão, ou mais um jogo mesmo, tente este aqui:

http://revistaescola.abril.com.br/swf/jogos/jogoLiteratura/

E boa diversão.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Ensino, Literatura